sábado, 13 de setembro de 2014

Como sobreviver com 8 filhos na cidade mais cara do mundo


Pois é! Não é muito fácil, de início foi complicado, mas não é impossível! 
Claro que a ginástica é mais que muita e, seja aqui por Luanda, ou noutra cidade do mundo, nós, famílias numerosas, aprendemos alguns truques para que o dinheiro chegue ao final do mês. Em Portugal, e antes de nos reunirmos todos aqui, estava a ser cada vez mais difícil chegar ao final do mês com uns euros no bolso. Por aqui, felizmente, sobram alguns kuanzas no final do mês, mas os sacrifícios saem-nos do pêlo... Angola não é sinónimo de euromilhões! Pelo menos para os Britos!
A cada dia que passa, chegam mais portugueses a Angola para trabalhar. E, se há uns tempos atrás, não se viam muitas famílias (normalmente vinha só o homem da casa), agora são cada vez mais os casais que vêm e que trazem os filhos. E ainda bem pois muitos casamentos foram por água abaixo com a distância! Bom, mas isso dava outro post e vai ficar para outra altura! Voltamos à batata quente... ainda muitos estão a decidir se juntam a família ou não e, assim, resolvi partilhar um pouco da minha curta experiência por terras angolanas, no que diz respeito aos pinos, rodas, cambalhotas e afins que fazemos por aqui de modo a chegar ao fim do mês com algum "kumbu" (dinheiro na gíria angolana). Aqui vai:


1. Conhecer todos os supermercados num raio de 30 Km. Visitá-los a todos! E quando digo isto é mesmo do género visita de estudo, com papel e caneta, para apontar todos os preços dos produtos mais consumidos em casa. E passo a explicar o porquê: aqui os preços variam e muitoooooo, ou seja,o mesmo produto (da mesma marca) pode custar 3, 4 ou 5 vezes mais num supermercado do que noutro. Assim, o que os Britos fazem é ir ao supermercado X comprar os produtos que são mais baratos aqui, depois ir ao supermercado Y comprar outros produtos e por aí fora. Normalmente chega visitar 3 supermercados (só!). Vou dar um exemplo: as fraldas e toalhetes compramos no Deskontão, os legumes e fruta no Intermarket e os detergentes no Kero.
Ainda nos supermercados, convém estar sempre de olho aberto nas promoções. Nestas alturas vale a pena reforçar a dispensa e comprar em maiores quantidades. Sempre sem esquecer a data de validade pois muitos supermercados fazem grandes (enormes!) promoções porque a validade está a acabar. Há uns meses comprámos na Maxi uns cereais de pequeno almoço a 99 kuanzas a caixa (cerca de 0,75 euros) que estavam em promoção pois a validade acabava em 15 dias. O preço anterior era de 750 kuanzas (cerca de 5 euros)! Claro que trouxemos imensas caixas e tirámos a barriga de misérias porque de outra forma não compraríamos aqueles cereais! Na passada terça-feira, encontrámos no Kero iogurtes grego de pêra em promoção e desta vez não tinha a ver com o prazo de validade. Comprámos cada conjunto de 4 iogurtes a 399 kuanzas e o preço antigo era de cerca de 1500 kuanzas, ou seja, 10 euros (os iogurtes frescos aqui são um atentado ao nosso bolso, e assim, acabamos por comer iogurtes que não necessitam de frio). Digo-vos que foi a primeira vez desde que aqui estou que comi um iogurte grego... imaginem agora o meu frigorífico quando estou em Portugal!!!
Relativamente a este ponto e para terminar, o melhor dia para ir ao supermercado é ao domingo pois em vez de demorarmos 1 ou 2 horas chegamos em 20 minutos. No entanto, ao dia de semana há mais promoções. Complicado!


Promoção de tremoços
(era 1518 Akz agora 99 Akz)

2. Almoçar ou jantar fora apenas quando o rei faz anos. Literalmente! O último jantar em família foi o do dia do pai e, apesar de dividirmos as doses, e não comermos sobremesas, ficou em quase 200 euros! Uma vez ou outra fazemos uns almoços ou jantares a dois que nunca ficam por menos de 40 euros... e falo-vos de restaurantes bons mas sem estrelas michelan!
O único fast-food que existe por aqui é o KFC mas a refeição custa cerca de 12 euros. Recuso-me a gastar 100 euros ou mais em fast-food. Internem-me se tal acontecer!!!


Almoço a dois

3. Usar e abusar da bimby! 
É ótima para as sobremesas. Os bolos são muito caros e se comprarmos os ingredientes e fizermos em casa sai muito mais em conta. Aqui há bolo quase todos os dias! Nas festas de anos também é uma vantagem...


Bolo maluco

A carne picada rende imenso na bimby e usamos muito no esparguete à bolonhesa, lasanha e canelones.
As pizzas também são muito caras, para não variar! A sugestão é fazer a massa na bimby e cada um faz a sua própria pizza a seu gosto (aqui até devemos aproveitar restos que estão no frigorífico)... a cozinha fica um bocadinho porcalhona mas a alegria dos miúdos compensa!
E quem não tem bimby? Claro que também consegue! (Mas assim que sobrar uns trocos compre uma pois depressa recupera o investimento!) É uma questão de fazer quase tudo em casa, tudo caseiro!

Não, não vendo bimbys! Não, não me ofereceram nenhuma bimby! É a minha opinião pessoal e vale o que vale!
Até vos digo que a minha "morreu" há cerca de 15 dias... foi novamente atacada pelas baratas... malditas! Agora espero chegar a Portugal e que o santo do meu pai a ressuscite... senão vou ter que fazer o sacrifício de comprar a nova bimby que saíu a semana passada e é um espetáculo!


4. Fazer muitos programas ao ar livre, mas levar o "farnel" de casa! Existem muitos locais giros a visitar e conhecer e que podem ser mais ou menos longe de casa. Existem praias muito giras e podemos usufruir delas durante praticamente todo o ano. A gasolina e o gasóleo são muito baratos e portagens quase não existem, logo há que aproveitar! Mas nada como levar uma lancheira com comida e bebida pois os restaurantes são caros (como  já disse) e nem sempre existem.


5. Não visitar muitas lojas (embora também não existam!) de modo a não cair na tentação de comprar algo que em Portugal custe metade (ou muito menos!) do preço marcado aqui. 
Felizmente começam a chegar ao mercado angolano algumas lojas com preços iguais ou pouco maiores dos praticados em Portugal. Quando estamos a "ressacar" por falta de compras então podemos passar uma tarde numa destas lojas (eu aqui tenho a Seaside e o Espaço Casa, por exemplo) e o estrago é menor!


6. Fazer uma mini farmácia em casa. Por cá já existem todos os medicamentos que precisamos mas mais caros, logo devemos trazer tudo de Portugal. Esta regra serve também para material escolar, papas de bebé (chega a custar 7 ou 8 euros uma embalagem) e tudo o que seja possível trazer no avião. Quando o stock acaba, há sempre um amigo que não se importa de trazer o que está em falta



E, por último, falta referir cinco coisas muito importantes, mas que não se encaixam nos pontos acima:

As rendas das casas praticadas em Luanda são muito altas (cerca de 1500 USD) e normalmente temos que adiantar a renda do um ano inteiro, logo convém acordar isso com a empresa com quem se vai trabalhar. 

Os colégios também são todos muito caros, principalmente os portugueses e os internacionais. Pelo que conheço a média varia entre os 1000 e os 1500 USD por criança, à exceção da Escola Portuguesa de Luanda que ronda os 500 USD, mas que tem listas de espera grandes e onde o fator C pode funcionar! No nosso caso era impensável ter 5 crianças a estes preços, logo a opção foi o ensino particular angolano. Tem algumas lacunas que eu como professora vou tentando colmatar e quando um dia voltarmos, logo se vê! 

E agora a saúde. Uma consulta de pediatria pode variar entre os 8000 Akz (cerca de 55 euros) e 15000 Akz (cerca de 100 euros), o que é relativamente idêntico aos preços praticados no particular em Portugal. O que é extremamente caro são as análises e alguns exames. Um internamento no particular nem se fala! Assim, já existem vários seguros de saúde que cobrem muitas destas despesas. No nosso caso, a empresa do Rui paga todas as despesas de saúde relacionadas com o trabalhador mas não com a família. E assim foi quando ele esteve internado com malária. A maior despesa de saúde que tivémos foi o parto do ZM que rondou os 3250 USD. O seguro de saúde para cada criança ronda os 1000 USD por ano e ficou, por enquanto, adiado. Rezamos para que continue a correr tudo bem!
Um ponto muito positivo e que não posso deixar de referir tem a ver com as vacinas dadas aos bebés. A única vacina que não está no plano é a Meningite C, ou seja, a Prevenar e a Rotavírus são dadas a custo zero! Em Portugal pagaria cerca de 150 euros pelas duas (por cada dose).

Existem outras despesas que aparecem uma vez por ano, como é o caso dos vistos de permanência no país. No caso dos Britinhos, os vistos estão agregados ao visto de trabalho do Rui. Cada um custou 20000 Akz (cerca de 150 euros). No meu caso custou 12000 Akz. Fazendo contas a tudo cerca de 1600 euros. Pena que aqui não fazem descontos para famílias numerosas!

E, por fim, a maior e mais desejada despesa de todas... 10 bilhetes de avião para Portugal! Claro que o Natal só podia ser com o resto da família! São dias para matar saudades de tudo e de todos... de coisas banais como iogurtes gregos! Assim, começamos a ver preços de viagens com muita antecedência. Comparamos várias companhias aéreas pois nem só a Tap e a Taag viajam para Portugal. Existem outras que fazem uma escala e que, por vezes, têm preços mais baixos, como a KLM, a Emirates, a Ibéria, entre outras. A primeira vez viemos pela BA (escala em Londres) e na segunda foi direto pela Taag. Este ano, as viagens já estão compradas desde Junho e vamos fazer escala.


Resumindo e baralhando, cada um deve decidir de acordo com a sua realidade e tendo a noção que cada caso é único. No que me diz respeito, e como já disse noutros postes, o que pesou mais na nossa decisão foi como se diz por aqui o "tamos juntos!". E estamos bem...








38 comentários:

  1. É ótimo e digno de relevo. Isso é luta a sério. Entretanto, não refere um assunto que, para mim, é o mais importante. Médicos a sério. Se eu - por exemplo - tiver uma taquicardia esquisita (como já aconteceu com um amigo meu que morreu aí...), não há cardiologistas equipados com tudo o que é necessário. Aliás. Por qualquer motivo, os que podem, vêm tratar da sua saúde a Portugal. E, amigo, não tenhamos duvidas ; a saúde é o que de mais importante temos na vida e, só o sentimos, quando a perdemos. Angola é linda. Com exceção de Cabinda e Baía do Tigres, onde se tem de ir de avião, conheço-a toda a guiar. Tenho 18 anos seguidos nesse trabalho. Mas dantes, se eu tivesse uma hepatite c (por exemplo), tinha médico. Hoje, se tiver avião, tenho pelo menos mais 7 horas no ar para chegar a um...E eu estive aí em Novembro passado e, neste campo onde andei a fazer perguntas, não encontrei grandes diferenças. Deus queira que tenha sorte são os meus desejos sinceros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João gostava de o informar, com conhecimento próprio, que no campo da cardiologia não precisa sair para ser tratado quer por rotina quer por urgência. É preciso é escolher bem os médicos e as clinicas.

      Eliminar
    2. Olá! Acabou de referir a minha principal preocupação: a saúde. A única que me tira o sono! Considero, no entanto, que as coisas estão a melhorar a pouco e pouco. O meu marido, no ano passado, esteve internado na clinica girassol com malária e foi muito bem atendido. Sei que algumas equipas de médicos e enfermeiros portugueses vêm, por temporadas, dar formação aos médicos angolanos e que estes também passam temporadas em Portugal. Claro que ainda não é o sistema de saúde de um país desenvolvido mas para lá caminha... embora devagarinho!
      Nós aproveitamos o tempo que estamos de férias em Portugal para fazer um check-up geral. E depois é rezar para que corra tudo bem!
      Felicidades e até breve!

      Eliminar
    3. Já li este post e fico sempre na duvida se devo acrescentar a minha experiencia...
      Não resisto e devo falar o que vivi na famosa clinica girassol:diagnosticaram-me mal várias vezes e vivi um inferno de dores durante dois meses. Ouvi uma médica angolana a dizer-me na cara que eu tinha problemas psicologicos.
      O que tinha era uma gravidez ectopica e que só foi descoberta quando a trompa rompeu e tive hemorragia interna e fui operada in extremis já em Portugal.
      Dois anos depois, as sequelas ainda são tremendas porque estou a passar por FIV para ter alguma hipotese de engravidar.
      Cada caso é um caso e este é o meu.

      Eliminar
  2. Revejo - me em tudo o que expôs neste seu texto.
    Estive 10 anos em Luanda de 1991 a 2001. Levei a minha vida como vocês. Era um país em guerra civil com restrições de viajar para outras localidades angolanas. Estou em Portugal há 15 anos e conto voltar de vez a Luanda!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que corra tudo bem no seu regresso e que seja muito feliz por cá!

      Eliminar
  3. Obrigada pela fantástica partilha. Faz-nos perceber as grandes diferenças entre os países e ao mesmo tempo dar valor ao que "ainda" de bom temos em. Portugal... Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Filó!
      Agora sei dar valor a coisas que eram banais...
      Bjs grandes com muitas saudades... principalmente do "meu" botãozinho!

      Eliminar
  4. Parabéns pela coragem e obrigado pela partilha. Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. obrigada pela partilha.é assim mesmo! familia nao é familia se nao estiver junta.

    ResponderEliminar
  6. Também apanhei a promoção dos gregos no Kero Gika! Só tinha comprado 1 ou 2 vezes yogurtes danone cá em angola pois o preço normal deles é ridículo! Bimby é realmente uma bela ajuda para poupar umas Kwanzas valentes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom saber que existem mais pessoas que me entendem!
      Acho que os portugueses compraram todos os gregos de pêra!
      Bjs!

      Eliminar
  7. Da próxima vez que me enviarem um pedido sobre como é por aqui já sei o que vou fazer: enviar este texto.

    Um conselho... detergentes? Caso dos Frescos. Estranhamente baratos.

    E outra coisa, como é que no Cais de 4 gastaram menos de 50 dolares por pessoa???? E acredite que não como nem bebo coisas "extras". Hahaha

    De resto, talvez nos encontremos por aí.

    Beijinho e felicidades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana!
      Gosto muito da Casa dos Frescos pois faz-me lembrar o Pingo Doce, mas só compro algumas coisas. Para a próxima vou espreitar os detergentes!

      No Cais de 4 comemos a pizza mais barata e o hamburguer mais barato! E duas coca-colas! Não chegou a 5000 Akz, os dois!
      A vista sobre a cidade e a calma do almoço (sem miúdos a chatear!) compensaram tudo e a pizza e o hamburguer souberam-nos a lagosta e a naco na pedra!!!
      Bjs e até breve!

      Eliminar
    2. Esse restaurante entre pouco tem esse efeito. Para a próxima vou experimentar a ementa.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Parabens pelo testemunho , revi-me nesta situação,ja em Portugal fazia esta vida,cá tem de ser tudo muito bem contabilizado,...apenas deixo uma dica em relação aos iogurtes, eu trouxe de Portugal a minha iogurteira, pois lá custou-me 19 euros, e já lá fazia iogurtes, pois com um iogurte e um litro de leite (compro natural ou sabores Danone) 2 colheres de sopa de leite em pó nido e açúcar a gosto faço 6 iogurtes. Ficam muito bons ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela dica!
      A bimby também faz iogurtes e tive essa hipótese em cima da mesa, mas como descobrimos os outros iogurtes da Danone que não precisam de frio e são muito saborosos por cerca de 300 Akz (4 unidades), temos aproveitado.
      Bjs e até breve!


      Eliminar
  9. Olá Marta! Obrigada pela partilha e pelas dicas muito úteis.
    Já vivo ha 2 anos com o meu marido em Luanda e agora somos grávidos de 1ª viagem, com o 1º trimestre feito em Pt...começo a perguntar-me onde ser seguida e onde será o parto. Referiu que fez o parto do ZM cá, posso saber onde e se correu tudo bem? Obrigada, beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Olá!
    Muitos parabéns pelo bebé que aí vem! Eu fui seguida na Cligest (perto da Sagrada Família) pela Dra Eulália e pela Dra. Anabela Reis. São ambas portuguesas e correu tudo lindamente!
    Há um post aqui no blog onde conto como foi. Dê uma espreitadela!
    Bjs e felicidades!

    ResponderEliminar
  11. Olá eu sou Angola e vivi apenas 6 anos em Portugal periodo em que estive a estudar, voltei a 6 anos e ainda nao me habituei a realidade do meu Pais, onde tudo é caro, noos primeiros anos deixava de comprar as coisas porque comparava com os preços de Lisboa :) os preços dos yogurts continuam a ser um absurdo, a vida é cara mas de 6 anos para ca as coisas melhoraram e as opções aumentaram, temos o Kero e o descontão que nao existiam, a casa dos frescos começa a ser razoavel e olha um conselho a nivel de legumes temos o mercado do 1º de Maio aos fins de semana.
    Parabens por sobreviver a aventura de viver em Luanda eu que sou nativa tenho toda familia ca, muitos sao os dias que me apetece desistir e começo a pensar em me mudar para as Provincias(Lubango, Benguela e Namibe) mas depois penso na assistencia medica e recuo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão... não podemos estar sempre a comparar!
      Obrigado pela dica do mercado!
      A saúde também me preocupa bastante...
      Bjs!

      Eliminar
  12. Marta Brito, ou Marta Coragem?

    sem palavras!

    ResponderEliminar
  13. Que valentia, sim senhora, merecia uma medalha!

    Clap clap clap

    ResponderEliminar
  14. Sra Brito.

    Acho que deveria dar graças a deus por a sua família ter essas condições de vida em Luanda.

    Imagino que um encarregado da construção civil, que vai para Angola, com certeza não poderá levar sua familia com ele. Pois ficará a viver dentro de um contentor de obra, e o seu salário inteiro não daria para pagar sequer 2 anuidades num colégio...Quanto mais uma casa, um carro...

    Isso para não mencionar os locais, que nem água potável e eletricidade têm. E são muitos, são milhões...

    É sem dúvida uma aventura, mas só para alguns,

    Mas para a maioria, isso sim, é sobrevivência.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu disse no final do post cada caso é um caso. E vai sempre existir quem tenha melhores e piores condições.
      No meu caso, o meu marido veio para Luanda dois anos antes de mim e dos meus filhos e, só depois de reunidas condições é que nos juntámos todos.
      Se for o seu caso, espero que consiga reunir a família o mais rápido possível, seja aqui em Angola, em Portugal ou em qualquer outro país do mundo!

      Quanto a dar graças a Deus, faço-o todos os dias e não só pelas coisas boas, mas também pelas coisas menos boas que Ele nos coloca no caminho, pois são estas últimas que nos fazem crescer e converter!
      E pode crer que no caso dos Britos nem tudo são rosas...

      Eliminar
  15. Adorei lê-la...mãe coragem, pela familia numerosa e mãe coragem por viver em Luanda!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  16. para viver nesta terra com 8 filhos tem que tem que ganhar muito dinheiro se não não vivia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem que se ganhar algum, mas não assim tanto...
      :)

      Eliminar
  17. Este sabado fui ao intermarket e tinha montes de coisas em promoção.
    que eu tivesse comprado: leite magro mimosa a 100 kz o pacote hehehehe!
    a validade é de 15 dias... pois que venham 2 paletes e só não comprei mais porque só eu bebo leite magro lá em casa.

    ResponderEliminar
  18. ola, como mamã em Angola, vivo exactamente as mesmas experiências.....
    Uma coisa de que me ri, foi dos iogurtes.... aconteceu-me exactamente o mesmo..... foi um choque.....tanto que o meu filho mais novo, hoje com 4 anos não gosta de iogurtes :-)
    Mas descobri uma alternativa muuuuuuuuito mais barata, natural e saudável.....
    Encontrei um dia no Jumbo (por acaso) uma iogurteira em promoção, a 3.500akz.... claro que desconfiei.....mas posso dizer que foi a minha melhor compra até hoje..... todas as semanas tenho iogurte "grego" caseiro, a uma fracção do preço..... Também podem ser feitos na Bimbi....

    Ana

    ResponderEliminar
  19. Olá marta, sem dúvida um exemplo a seguir, estou sua fã! Juntei a familia este mês tb aqui em luanda e que descreve revejo me em muita coisa mesmo estando aqui a semanas. Tb tenho a minha bimby comigo ;-), gostava de ter mais feedbacks seus, :-D beijinhos e tudo de bom por cá

    ResponderEliminar
  20. Parabéns. É lindo e encorajadir o que escreve.
    N conheço ninguém que se aventure a ter tantos filhos e ainda por cima levar e aumentar a família na que é a cidade mais cara do mundo.
    muito bom, adorei a sua alegria.
    gostaria q me dissesse como vê a questão da segurança sobretudo com crianças. ..
    um beijinho de Portugal :)

    ResponderEliminar
  21. Ola sou Angolana casada com um portugues e vivi 15 anos em Lisboa onde tive os meus 2 primeiros filhos. No entanto o meu esposo estava ca a trabalhar e tive que regressar a Luanda com as criancas. Onde nasceram mais 2, eu sei loucura vai alguem pensar...So eu e Deus sabemos o quanto a senhora Mara esta a dizer a verdade...Quem viveu em Portugal com a familia sabe o que e disparidade de precos.
    Enteressei me por este artigo vejam la como e porque!!! Andava a procura de alguma informacao sobre onde comprar leite para bebe fraldas e toalhetes, mais em conta em Luanda. E dei com este artigo. Uma bencao obrigado desde ja pelas dicas sao optimas porque sinceramnete eu ja nem me recordava do descontao....E de lamentar tenho 2 filhos na escola portuguesa e agora vai entrar o mais novo. Nao faco ideia de como me vou safar...Regressar a Lisboa agora nao me dava jeito nenhum mas vontade nao me falta...Infelizmente na vida, nao podemos ter tudo.

    ResponderEliminar